Notícia

28/11/2018 14:51:59 - Atualizado em 28/11/2018 14:52:00


Nobel da Paz escreve carta em solidariedade ao Brasil e pede a Bolsonaro cumprimento de tratados e legislação de Direitos Humanos

Segundo Daniel Cara, coordenador geral da Campanha, o primeiro passo é não aprovar o projeto de lei do Escola Sem Partido

Após eleição de Jair Bolsonaro, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2014, o ativista indiano Kailash Satyarthi escreveu, em nome da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, uma carta de solidariedade e apoio aos defensores de Direitos Humanos no Brasil.
 
Logo após o primeiro turno das eleições, em 07 de outubro, o então candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro declarou em discurso online que iria “botar um ponto final nos ativismos do Brasil”. Diante disso, o prêmio Nobel e fundador da campanha 100 Milhões por 100 Milhões, de combate ao trabalho infantil e promoção do direito à educação, declarou apoio aos defensores de direitos humanos no país e solicitou ao novo governo o cumprimento de acordos internacionais assinados pelo Brasil, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Convenção sobre os Direitos da Criança, assim como da legislação nacional, como a Constituição Federal de 1988, o Estatuto da Criança e do Adolescente, e o Plano Nacional de Educação.
 
 
“A iniciativa de Kailash Satyarthi demonstra a preocupação da comunidade internacional em relação ao Brasil e aponta as dificuldades sobre a preservação dos princípios e valores constitucionais. Um exemplo de ataque a essas diretrizes da Carta Magna é o Escola Sem Partido, que precisa ser barrado no Congresso Nacional”, explica Daniel Cara, coordenador geral da Campanha.
 
Ao manifestar solidariedade, Satyarthi reforça ainda a parceria com o Brasil no combate às injustiças sociais e as relações amistosas entre os países.
 
Leia a carta abaixo:
 

Fonte: Campanha Nacional pelo Direito à Educação


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

FNPETI participa da 2ª Jornada Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

Fórum aborda a vulnerabilidade de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil

Aumenta o número de crianças em situação de pobreza entre 2016 e 2017

IBGE divulga Síntese dos Indicadores Sociais. m 2017, dois em cada cinco trabalhadores do país eram informais

O gosto amargo do trabalho infantil e do trabalho escravo pode estar no chocolate

Para conscientizar os envolvidos na cadeia produtiva do cacau no Brasil, MPT e OIT divulgam pesquisa e documentário

Acesse o III Plano Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador

Plano abrange os anos de 2019 a 2022 e está disponível no site do FNPETI