Notícia

30/07/2018 14:37:57 - Atualizado em 30/07/2018 14:37:57


Comentário Geral nº 19 da ONU recebe primeira tradução em língua portuguesa

Documento disponível para download aborda a elaboração de orçamentos públicos para efetivar os direitos das crianças

O Comentário Geral n° 19 foi aprovado em julho de 2016 pelo Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança com a finalidade de facilitar o entendimento sobre a aplicação do artigo 4º da Convenção: "Os Estados Partes adotarão todas as medidas administrativas, legislativas e de outra natureza, visando à implantação dos direitos reconhecidos nesta Convenção. Com relação aos direitos econômicos, sociais e culturais, os Estados Partes adotarão essas medidas utilizando ao máximo os seus recursos disponíveis e, quando necessário, dentro de um quadro de cooperação internacional."
 
Considerando a relevância deste documento e aproveitando as celebrações do 28º aniversário do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o Centro Marista de Defesa da Infância disponibiliza a tradução não oficial do Comentário Geral n° 19, na crença de que a efetivação dos Direitos Humanos de crianças e adolescentes está diretamente relacionada ao quanto e como os governos investem nesta população.
 
A implementação das recomendações do referido documento pelos gestores públicos nos níveis federal, estadual e municipal, incluindo a participação da sociedade civil e das crianças e adolescentes, assegura o compromisso com a infância e adolescência a fim de que essa população seja priorizada no investimento público. Assinala, ainda, a responsabilidade em assegurar os direitos de crianças e adolescentes em todas as etapas do orçamento público e que todos os investimentos realizados contribuam de forma efetiva, eficaz, equitativa, transparente e sustentável para promoção e defesa desses direitos.
 
Ao fazer recomendações especificas sobre a gestão dos recursos financeiros, baseando-se nos princípios do orçamento público e no ciclo orçamentário, o documento propõe medidas tais como: o compromisso dos gestores públicos em avaliar os impactos da legislação, políticas e programas para crianças e adolescentes, a importância de se implementar sistemas de classificação orçamentária de acordo com as orientações internacionais, a necessidade de tornar visível e público as receitas, atribuições e gastos relacionados aos direitos das crianças e adolescentes e a criação de mecanismos de participação e escuta da sociedade, incluindo crianças e adolescentes a fim de reconhecer seus direitos e promover o controle social, dentre outros.
 
A adoção deste comentário no desenho de políticas públicas representa, igualmente, a oportunidade de crescimento econômico e sociedades mais justas e sustentáveis. Clique aqui para ler e baixar a tradução do Comentário Geral n° 19 da ONU em seu dispositivo.
 

Fonte: Centro Marista de Defesa da Infância


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

MPT oferece curso sobre combate ao trabalho infantil para conselheiros tutelares

As inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 15 de março. O curso é a distancia e começa no dia 1º de abril.

Mais de 1,8 mil crianças e adolescentes foram retiradas do trabalho infantil em 2018

Muitos estavam trabalhando em lava a jatos, oficinas mecânicas e borracharias e no comércio de bebidas alcoólicas. Os dados são da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT).

Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"

Rede pró-infância e juventude critica mercantilização de base

Juiz da Infância alerta sobre a proibição do trabalho infantil no carnaval de Salvador

O juiz Walter Ribeiro, da 1ª Vara da Infância e Juventude de Salvador, publicou portaria estabelecendo parâmetros protetivos para que crianças e adolescentes participem das festas de carnaval.