Notícia

27/11/2017 09:36:21 - Atualizado em 27/11/2017 09:36:21


Salvador debate sobre extermínio da juventude negra

Audiência pública acontece na próxima terça-feira (28), como parte das ações do Novembro Negro na capital baiana

Como parte das ações do Novembro Negro em Salvador, jovens do Subúrbio Ferroviário participam no dia 28 de novembro (terça-feira), às 9h, da Audiência Pública “Incomode: o preço do descaso é a minha vida!”. A sessão acontece na Assembleia Legislativa da Bahia e tem como proposta convocar população, poder público, movimentos sociais e culturais para o debate sobre o extermínio da juventude negra. 
 
Dados do Mapa da Violência 2016 revelam que, entre 1998 e 2012, houve um aumento de 400% no número de homicídios da juventude brasileira. Segundo o Diagnóstico dos Homicídios, produzido em 2014 pelo Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (SINESP), a Bahia apresenta a taxa mais alta deste tipo de crime entre os estados brasileiros. Do total registrado, mais de 79% tem como vítimas garotos e garotas, negros/as e moradores/as de periferias.
 
As/os jovens levarão à Assembleia propostas de melhorias para os programas e políticas públicas voltados à juventude negra. Participam da audiência o presidente da Comissão de Promoção da Igualdade Racial, Bira Coroa; o coordenador do Programa Pacto Pela Vida, Cesar Lisboa; o especialista em Segurança Pública, Elder Costa; a coordenadora do Movimento dos Sem Teto da Bahia, Rita de Cássia; o vereador e integrante da Comissão Municipal da Criança e do Adolescente, Hilton Coelho; a conselheira estadual da Juventude e integrante da Rede de Protagonistas em Ação de Itapagipe (Reprotai), Tatiana Souza e a integrante do projeto Juventude Negra e Participação Política (JNPP), Nadjane Cristina.
 
 A sessão é realizada pela CIPÓ – Comunicação Interativa e Comissão de Promoção da Igualdade da Assembleia Legislativa da Bahia. A ação integra o Projeto Juventude Negra e Participação Política, desenvolvido pela organização da sociedade civil em parceria com a Associação Brasileira Terra dos Homens. A iniciativa prevê o monitoramento e incidência política de jovens no enfrentamento à letalidade que atinge a juventude negra no Subúrbio Ferroviário de Salvador.
 
SERVIÇO:
 
O quê? Audiência Pública “Incomode: o preço do descaso é a minha vida!”.
Quando? 28 de novembro (terça-feira), às 9h.
Onde? Assembleia Legislativa da Bahia (Centro Administrativo da Bahia-CAB).
 
MAIS INFORMAÇÕES:
 
 Milena Oliveira
Comunicadora | CIPÓ – Comunicação Interativa
Tel.: (71 3503-4477 / 98803-9883)
 
Eduardo Machado
Coordenador do Projeto Juventude Negra e Participação Política | CIPÓ – Comunicação Interativa
Tel.: (71 98181-2404)
 
Anísio Neto
Jovem multiplicador do Projeto Juventude Negra e Participação Política | CIPÓ – Comunicação Interativa
Tel.: (71 98753-7807)
 

Fonte: Cipó Comunicação Interativa


Deixe seu comentário

Login

Comentários (1)

Antonio Ferreira

29 de Novembro de 2017 às 10:10:18
Audiência Pública muito importante. Jovens puderam se fazer ouvir por outros jovens e por representantes de entidades públicas e privadas que têm condições de aumentar atenção à juventude negra.
Muitos dentre os jovens que lá estavam manifestaram que já viveram luto em decorrência de morte de familiar jovem morte violentamente. Isso não deve ser considerado algo natural.
Uma frase de ativista durante a Audiência me chamou a atenção; "Os jovens nas comunidades estão entrando para o tráfico não é porque querem, mas por falta de opção. É aquilo que é apresentado a eles."

Destaques

Trabalho infantil no Carnaval. O que nós temos a ver com isso?

Artigo da coordenadora do Fórum Paulista de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, Elisiane Santos, chama a atenção para essa violação de direitos

PB: Conapeti divulga nota sobre deputado que elogiou trabalho infantil

Deputado estadual Doda de Tião incentivou em uma rede social uma criança que trabalhava vendendo picolé

Trabalho infantil não é folia! Participe da campanha do MPT

Objetivo da ação é alertar para a situação de crianças e adolescentes que trabalham durante o Carnaval

Organizações solicitam ações pelo fim da violência contra crianças e adolescentes

Dados alarmantes sobre abusos, explorações e elevados índices de homicídios motivaram a ação do grupo, do qual o FNPETI faz parte