Você está em: Página Inicial Notícias em destaque Fronteira do Amazonas
Document Actions

Fronteira do Amazonas

Envolvimento de adolescentes indígenas com o narcotráfico será investigado. Leia mais ...

Envolvimento de adolescentes indígenas com o narcotráfico será investigado

A Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) está investigando a relação de jovens índios com o narcotráfico nas fronteiras do Amazonas. Segundo o presidente da Coiab, Jecinaldo Cabral Satere Mawé, adolescentes entre 12 e 18 anos, de 43 etnias do estado, estão envolvidos com o tráfico de drogas da Colômbia e Venezuela, seja como usuários ou como ‘aviões' (transportadores).

Jecinaldo explica que a primeira ação da Coiab será identificar quantos adolescentes trabalham para traficantes, quantos são usuários de drogas e onde está a maior incidência. "Sabemos que isso acontece, mas ainda não temos estimativa da quantidade de envolvidos. Vamos mapear estas ocorrências", disse.

Representantes da Coiab, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e outras entidades se reuniram para traçar planos emergenciais de resgate social e cultural desses adolescentes. O coordenador do Unicef em Manaus, Halim Girade, disse que uma solução viável é firmar parcerias com os grupos jovens de mobilização indígena que atuam no estado, como o Movimento Estudantil Indígena da Amazônia (MEIAM). "Eles conseguiram fundar uma secretaria municipal em São Gabriel da Cachoeira (852 quilômetros a noroeste de Manaus) só para atender às reivindicações dos estudantes indígenas. Isso é uma conquista histórica. São esses jovens que podem ajudar aos outros", disse.

Para Jecinaldo Mawé, o impacto cultural, a discriminação e a falta de oportunidades de trabalho são alguns dos motivos que levam os jovens indígenas a procurar as drogas. Ele explica ainda que os povos mais afetados pelo consumo e tráfico são os que vivem nas áreas dos rios Negro e Solimões. Mawé apontou a cocaína como a droga mais usada. "Existem jovens tikuna cheirando gasolina quando falta droga", afirmou. (Diário do Amazonas - Manaus - 13/11/2007)