Fórum Estadual de Alagoas

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

28/08/2018 12:52:02 - Atualizado em 28/08/2018 13:56:26


Ministério Público do Trabalho e Governo do Estado reúnem-se para buscar reestruturação de casas de farinha

Renan Filho propôs firmar um TAC para adequar e fomentar o setor produtivo, e apresentou possibilidade de oferecer linhas de crédito voltadas a proprietários e produtores

O Ministério Público do Trabalho (MPT) iniciou um canal de diálogo direto com o Governo do Estado para discutir medidas que reestruturem a cadeia produtiva da mandioca em Alagoas e garantam condições dignas de trabalho aos produtores. Em reunião com o governador Renan Filho, no dia 16 deste mês, o procurador-chefe Rafael Gazzaneo e o procurador Rodrigo Alencar ressaltaram a importância da geração de emprego e renda na região por meio da atividade.

Na pauta apresentada ao governador, os procuradores salientaram a necessidade do resgate do Arranjo Produtivo Local (APL) da mandioca na região, para que os trabalhadores recebam assistência técnica adequada visando ao desenvolvimento da cadeia produtiva. Outra proposta apresentada foi de sobretaxar a farinha de mandioca vinda do Sul do país, como forma de incentivar empresas alagoanas a comprarem a farinha produzida pelos produtores locais.

 

Procuradores reforçaram necessidade do governo resgatar APL da mandioca no estado (Fotos: Rafael Maia)
Procuradores reforçaram necessidade do governo resgatar APL da mandioca no estado (Fotos: Rafael Maia)

 

Os membros do MPT também pontuaram que é necessário localizar a incidência de trabalho infantil nos municípios e priorizar a criação de escolas de tempo integral, no intuito de garantir uma educação de qualidade a crianças e adolescentes e afastá-los do trabalho proibido. Segundo Rodrigo Alencar, todas as reivindicações são necessárias para buscar a melhoria da realidade social dos trabalhadores. “Buscamos o apoio do governo para incentivar a produção e venda da farinha de mandioca pelos produtores, mas que essa produção seja feita com uma infraestrutura necessária que afaste a população do trabalho escravo e do trabalho infantil”, destacou Rodrigo.

Após apresentar as demandas, o governador propôs que a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur) realize um estudo das necessidades e de estruturação das casas de farinha, e aceitou firmar um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público do Trabalho para a devida adequação e fomento do setor produtivo. Uma das propostas apresentadas por Renan Filho foi a possibilidade de abrir linhas de crédito aos proprietários e produtores, junto à agência Desenvolve, para a adequação de condições propostas pelo MPT.

 

Governador apresentou possibilidade de abrir linhas de crédito para proprietários e produtores
Governador apresentou possibilidade de abrir linhas de crédito para proprietários e produtores

 

Força-tarefa

O Ministério Público do Trabalho verificou a necessidade de buscar a reestruturação das casas de farinha após a força-tarefa realizada pelo MPT, Ministério do Trabalho, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Defensoria Pública da União (DPU), em maio deste ano, que resgatou 92 trabalhadores em condições degradantes, além de 15 crianças. A operação realizada no município de Feira Grande foi o maior resgate de situação análoga à escravidão no país, desde 2012.

Fonte: MPT/AL


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

ONU: Brasil se mantém na 79ª posição no ranking do IDH

O país perde 23,9% do seu IDH quando se consideram as desigualdades

G20: organizações exigem compromisso com a implementação efetiva da agenda de educação 2030

Organizações da América Latina e do Caribe demandam aos Estados do G20 que garantam o fortalecimento de sistemas de educação públicos

FECTIPA-MG divulga moção de repúdio contra redução de vagas de Aprendizagem

Documento critica a tentativa de alteração da Classificação Brasileira de Ocupações (CBO)

Instituto Sou da Paz lança estudo sobre reincidência infracional

“Aí eu voltei para o corre” aponta forte relação entre a prática da primeira infração e evasão escolar, entre outros fatores