Fórum Estadual de Alagoas

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

17/05/2017 13:19:13 - Atualizado em 17/05/2017 13:19:13


Município de Pão de Açúcar é destaque no combate ao trabalho infantil

FETIPAT apresenta experiência exitosa realizada na feira livre da cidade alagoana

Marluce Pereira, membro em Alagoas do Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FETIPAT), apresentou a sua experiência exitosa, desenvolvida na Feira Livre de Pão de Açúcar, em sua participação no Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, em Belo Horizonte - MG.

Pão de Açúcar é reconhecida internacionalmente como uma das cidades brasileiras a alcançar os maiores índices de prevenção ao trabalho infantil. Segundo a técnica e assistente social, Maria Betânia Leite, é imprescindível o apoio que vem sendo dado à continuidade do trabalho, por parte da Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência Social, da prefeitura de Pão de Açúcar.

Betânia Leite sempre esteve à frente da coordenação das ações, e, parceria com toda a rede socioassistencial.

Pão de Açúcar tem priorizado os serviços de atendimento às crianças e adolescentes, das famílias inseridas no Cadastro Único dos Programas Sociais.

Fonte: Alagoas Alerta


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Negros são maioria no trabalho infantil

Ao todo, 63% das crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil são negros; no trabalho infantil doméstico, esse índice se acentua para 73,5%

“Por que devemos erradicar trabalho infantil?” é tema de Seminário em Vila Velha

O evento promovido pelo Feapeti acontecerá nos dias 20 e 21 de novembro, com a participação da secretária executiva do FNPETI, Isa Oliveira

Justiça decide que Zara é responsável por trabalho escravo flagrado em 2011

Sentença pode colocar empresa na ‘lista suja’ do Ministério do Trabalho. Marca vai recorrer

ONU solicita a revogação da portaria que limita a definição de trabalho escravo

Campanha Nacional pelo Direito à Educação e FNPETI corroboram com a avaliação das Nações Unidas